Feeds:
Posts
Comentários

Archive for 8 de abril de 2011

 

 

 

Não há muito que falar porque, na verdade, não consigo raciocinar.

E eu que pensei (quanta ingenuidade!) que não aconteceria nada igual ou pior ao ocorrido a Isabela Nardoni.

E aqui está um quadro horrível, repulsivo, retratando mais uma vez os  vários segmentos da sociedade e da constituição familiar falidos.

Não vou entrar em detalhes, esse assunto já se esgotou e nada é feito.

 

É preciso que se peça proteção a Deus para sair de casa, para voltar para casa, para ficar em casa.

Não há como confiar na proteção do homem, no cuidado, atenção e carinho que ele deveria dedicar à sua própria raça, porque isso simplesmente não mais existe.

 

Gostaria de deixar registrada uma palavra de alento aos familiares dessas crianças que acreditavam que, aprendendo, conseguiriam um lugar ao sol, quem sabe retribuir a seus pais toda a dedicação em um futuro não muito distante.

O que dizer a esses pais que se esforçavam para que seus filhos tivessem um preparo melhor, achando um tempo em suas vidas corridas e sofridas para deixá-los na escola e para que seus filhos, um dia, não lhes dissessem que há várias autoridades neste país que mal aprenderam a escrever seus nomes e lá estão como majestades.

 

A pergunta que não me abandona desde o momento que tomei conhecimento dessa tragédia, desse massacre no colégio do Rio: aonde esse rapaz conseguiu tanta munição e armas? Aonde aprendeu a atirar com tanto requinte de perversidade e precisão?

E o que dizer então à família desse rapaz… e aqui fica, em uma derradeira tentativa, um convite à reflexão ao tipo de educação familiar que vem sendo direcionado aos filhos.

 

Não sei o que dizer a eles, nada teria sentido, nada abrandaria seus corações, nada apagaria esse quadro de horror da mente das crianças que sobreviveram.

Deixo aqui, mentalmente, meu abraço afetuoso a cada uma dessas famílias, desejando que neste gesto chegue a eles todo o meu amor e pesar.

 

Isabela querida, pedi muito em minhas preces para que você pudesse  receber esses outros anjinhos; só você sabe a extensão dessa dor.

 

 

Read Full Post »