Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘aceno’

para Álvaro Alves de Faria

 

 

 

 

Quando te olhei pela primeira vez, sabia-te pastor.

 

Pedi permissão para me aproximar e com um aceno convidaste-me a ouvir histórias dos ventos que apascentam tuas ovelhas.

 

Ofereceste-me abrigo sob o luar, junto ao instante da noite e vislumbrei tua luz nas fagulhas e no fogo a crepitar e no límpido céu estelar.

 

Tuas ovelhas, mansas, serenas se aconchegaram a teus pés, fechando lentamente seus olhos molhados de amor.

 

Então tocavas doçura na tua flauta encantada para que, a sono profundo, tuas ovelhas continuassem a sonhar.

Com relvas tenras, com flores risonhas, com sombras de árvores maternas e água fresca a jorrar de tuas palavras.

 

Era quando sentias um pouco da imensa solidão dos poetas.

Mas ao vê-las quietas e ressonantes, sorrias para o tempo e para tuas mãos que sempre souberam decifrar tua alma diante da silenciosa eternidade.

 

Com o correr do tempo na pele, aprendi a balir com tuas ovelhas e hoje minha voz mistura-se a delas, suave, imperceptível, constante.

 

Quando te olhei, sabia-te pastor e humano.

Sabia-te encantador de ovelhas.

Como da primeira vez.

 

 

Read Full Post »

 

 

E da onde tiravas os pés

eu colocava os meus

segura de não imergir

sem perceber que

assim sugava tua alma

passo a passo

sem nunca ter me oferecido

para seguir à tua frente

 

Só assim

poderia ter proporcionado

que descansasse teu coração

um pouco que fosse

na serenidade de um aceno

que não deixei existir

 

 

Read Full Post »

 

 

 

Quando eu partir

quero me por serena

como nunca me viste

 

Adornada por meus cabelos de inverno

quero te dar meu último

e mais suave sorriso

 

Tuas mãos por certo me farão

um carinho nas faces

enquanto me perscrutas

com  a doçura dos olhos

e as pontas dos dedos

 

Nessa quietude

hei de reconhecer tuas mãos

as mensageiras de teus pensamentos

de tuas palavras

de teus acenos

 

Mas somente quando eu partir

aprisionada que estou

por elos invisíveis

que me permitem te ver

ainda que só à distância

 

Quando eu partir

que seja assim

quando eu partir

 

 

Read Full Post »