Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘criação’

 

 

Sou uma pessoa privilegiada, em todos os sentidos.

Criada no interior, sei o que é brincar em um vasto quintal repleto de frutas, plantas e flores, com muito sol e também com chuva (que era quando afloravam as mais deliciosas traquinagens).

Criada convivendo com meus três professores prediletos (mamãe, papai e vovô) que nos auxiliavam quando das dúvidas ou curiosidades.

Quantas coleções ilustradas tivemos! Até hoje me lembro d’O Mundo da Criança e suas histórias fantásticas, Reinações de Narizinho, O Mundo Animal e, mais tarde, a coleção feita por meu irmão João, A História da Arte.

Mais tarde partimos para a leitura dos filósofos, na biblioteca de meu avô e, também buscamos o divino na biblioteca de meu pai, onde nos entretínhamos com a vida dos santos (sem quase nada entender).

Às vezes pedíamos para meu pai que nos contasse histórias “de medo” e depois minha mãe se zangava porque demorávamos para dormir.

Aprendi Francês com 11 anos e Inglês com 13, no colégio que estudei (hoje as crianças mal escrevem em Português…)

Nunca esquecerei da aula com a mestra Maria Lúcia Barbim, em que aprendi a redigir primeiro um bilhete, depois um comunicado seguido de uma carta e, por fim, uma redação (obrigada, mestra!)

 

Cresci ouvindo meu avô ao violino que me parecia mágico, minha mãe em um piano que transbordava amor e meu pai ao violão, em eterna saudade e melancolia (optei por aprender violão).

Cresci vendo meu avô a cantar com as netas e minha mãe nos braços de meu pai, a rodopiar pela sala.

 

Cresci feliz, brincando (e às vezes brigando) com mais quatro irmãos, onde o mais velho mandava no mais novo e, o mais novo era, como se diz, paparicado por todos (até hoje alguns de nós continuam assim, brincando de mandar no outro, sem se dar conta do tempo que passou…)

Divergências até hoje existem (somos normais), mas também o que nos unia àquela época, até hoje perdura: amor.

 

Aprendi valores ímpares, pilares que sustentam minha vida, pelas palavras e exemplos que observei em meus familiares; só para citar alguns, respeito, honestidade, perseverança, amizade, bondade (e, particularmente, aprendi com todos a sonhar!)

 

Cresci em contato com animais (em casa, na casa de amigos, ou no sítio do avô (Lumina) de meus primos) e fico sentindo um vazio e tristeza pelas crianças que só os conhecem através de bonequinhos, figuras de revistas ou pela tv

 

Cresci em um tempo onde lama era uma mistura de água e muita terra, onde somente porcos (os animais) chafurdavam o dia inteiro, não se incomodando com nada ao redor.

 

Cresci em um tempo onde nossa saúde era cuidada com muito carinho; por isso, a abundância (em qualidade) em frutos, alimentos, higiene, água.

 

Cresci em um tempo que se ria por bobagens, um riso frouxo, puro, cristalino, porque se gostava de rir simplesmente.

Ríamos à toa e tanto que uma de nós chegava até a fazer xixi na calcinha! (conto a intimidade, mas não conto quem era!)

 

Aprendi a gostar de bons filmes (éramos cinéfilos, todos!) o que me é permitido até hoje, digamos, saboreá-los, de tanto prazer que ainda me trazem.

 

Cresci em um tempo onde passávamos com muito medo diante da cadeia da cidade, com aqueles homens pendurados naquelas janelinhas gradeadas olhando para o nada (hoje andam entre nós).

 

Aprendi a cultivar amigos que presentes estão em minha vida da mesma forma como estou aberta para eles, a qualquer momento que de mim precisem; são poucos (conto nos dedos de uma só mão), mas são pessoas das quais me orgulho em ser amiga.

 

Aprendi (mas não muito) a ter paciência com os prepotentes, mas aprendi também a “levantar o nariz” para os imprudentes, invasivos e ingratos (afinal tenho muitos defeitos, você nem imagina!)

 

Aprendi a amar, a chorar, a cantar, a escrever, a observar, a buscar (sem às vezes encontrar)

 

Cresci, aprendi, descobri, perdi, ganhei e aqui estou.

Com medo de desaprender tudo o que até agora entendi como sendo o melhor.

 

Foi assim que acordei nesta manhã.

Lembrando-me de todos esses momentos e também do sonho que tive (e que depois entendi o por quê).

Me vi toda paramentada em uma cerimônia oriental (japonesa, talvez) que transcorria com muito respeito, disciplina, cuidado, responsabilidade, concentração, harmonia, alegria.

Passado um tempo entendi que, unica e exclusivamente por culpa de tudo o que tive (é verdade!) hoje sinto-me um peixe fora d’água, que pulou para a margem e morre lentamente de sede, sede de tudo o que tive um dia.

Sim, hoje, quando o povo resolveu continuar dormindo em berço esplêndido.

 

Sou uma pessoa privilegiada, para quê mesmo?!?

 

Read Full Post »

O Arquiteto

 

No tempo quando ainda era jovem, Deus começou a andar pela praia, rabiscando ora o chão, ora o ar, com um galho seco que encontrou.

Desenhou um caramujo na areia, um pássaro no céu, uma conchinha no mar, labaredas no sol.

 

Sua túnica batia em suas pernas como uma bandeira ao vento fazendo seu manto dançar o movimento do universo, acompanhando seus cabelos da cor do mel que se atiravam ao ar como pernas longas de bailarinas felizes.

 

Trazia em seu rosto sereno um sorriso sereno.

Ora assobiava, ora cantarolava.

 

Nesse dia seus olhos estavam limpidamente azuis; na verdade, brilhavam tanto quanto toda aquela paz.

Deus estava assim, perdidamente apaixonado, rindo de um nadinha, sorrindo para tudo!

 

No ponto mais bonito da paisagem, parou e sentou-se.

E fitou o mar, o ir e vir das águas caindo na areia, como se fosse uma renda sem fim a enfeitar a praia.

Ao mesmo tempo em que sentiu a leveza da espuma sussurrando, sentiu a profundeza e mistério do silêncio do alto do oceano e a força e altivez das ondas poderosas, arrasadoras, trazendo consigo tudo o que encontravam.

 

Estava diante do ciclo vital: o ir e vir, ir e vir, ir e vir …

 

Foi nesse exato momento que Deus sentiu-se mais alegre, imaginativo, capaz de sua melhor criação!

Rapidamente juntou um pouco de areia, como fazem os meninos quando vão  construir castelos e, simulou uma forma.

Seus olhos brilhavam, seus dedos trabalhavam ansiosamente porque sentia que o momento que se fazia era o supremo.

 

Levantou-se, distanciou-se um pouco e olhou.

Não gostou da forma que via.

Desmanchou-a.

Pensou por um momento.

  

Com a fisionomia contrita, porém feliz, sentia seu coração bater e bater palmas, quase a sair pela boca.

Juntou novamente um pouco de areia e assim a forma tinha melhor aspecto, mas precisava de água; havia necessidade de coesão para que a areia não se esparramasse.

Correu ao mar, pulando e correndo como criança e, com uma concha cor-de-rosa nas mãos, trouxe água para que a forma se mantivesse.

 

Havia propósito em realizar o melhor e assim seria!

 

O sol estava a pino.

O suor escorria em sua fronte, seus cabelos estavam molhados, sua túnica e pés também, seus olhos brilhavam, sua boca cantarolava, suas mãos agitadas trabalhando, afilando, modelando…

 

E nesse instante houve um lampejo em seus olhos, igual a um fecho de luz penetrando um diamante.

 

E todo o Universo se calou.

 

Deus fechou os olhos, ouviu sua voz interior e entendeu que acabara de criar o que vinha buscando já há algum tempo nas outras coisas que havia criado.

Respirou fundo, não conseguindo ficar por mais tempo com os olhos fechados; queria contemplar sua criação.

Quando os abriu surpreendeu-se, bateu palmas, deu cambalhotas na areia, pensou em chamar todos os outros seres para darem uma olhadela, mas não o fez.

Olhou com mais vagar, com cuidado, pois o queria o mais perfeito possível.

 

Olhou em volta e sentiu que a Natureza era sua cúmplice; sentiu que a forma era o que de mais belo havia criado até então.

 

E por assim sentir, resolveu acabar com a solidão.

Até então conversava com os pássaros, os animais, a terra, a água; brincava de correr com o fogo e o ar.

Mas não era o bastante.

Precisava ouvir palavras, pensamentos de um igual.

 

Deus então resolveu dar à forma o poder do livre pensar, seguido do poder do livre expressar.

 

Com carinho e cuidado, como se temesse acordar uma criança, insuflou em suas narinas o sopro da vida.

A forma pela primeira vez respirou e o sopro dentro de seu corpo circulou e tudo o que tocava ganhava vida, movimento, expressão.

 

Quando começou a despertar, Deus mais que correndo ajoelhou-se a seu lado, colocou a cabeça daquela forma, que agora era um ser, em seu colo, alisou-lhe os cabelos, o rosto e a fronte.

 

Quando abriu os olhos, a primeira visão daquele ser foi a de Deus debruçado sobre ele, sorrindo, transbordando de alegria.

 

A gaivota piou ao longe, a brisa embalou as ondas e o sol a tudo iluminou.

 

Deus tomou o rosto daquela criatura entre suas mãos, beijou suas faces e disse “Bom dia, meu amigo!”

Então o Homem sorriu.

 

Abraçados saíram a caminhar, Deus mostrando-lhe todas as coisas.

O Homem extasiado com a Natureza e Deus com sua criação.

 

                                           (primeira publicação, em 1975, no jornal da empresa em que trabalhei, na época intitulada O Dia da Criação)

 

Read Full Post »