Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘generosidade’

 

balão de livros

 

 

 

Era um domingo ensolarado e a saudade bateu fundo no coraçãozinho da menina.

Iria ver sua querida Da. Anita somente no dia seguinte, uma demora que duraria mais de 12 horas.

Como não estava fazendo nada mesmo e estava linda no seu vestido de domingo, com fitas nos cabelos que mamãe penteou, pois acabara de chegar da missa das dez, resolveu então ligar para ela.

Pegou da lista telefônica e procurou seu nome e se apercebeu de que esta era a primeira vez, depois de alfabetizada por Da. Anita, que fazia uma pesquisa espontânea e livre, que não fosse obrigações escolares.

Pronto, achou! Cá para nós, não foi tão difícil assim, pois ela morava na mesma rua, General Telles, um quarteirão acima de sua casa; de qualquer forma foi uma atitude individual e, diga-se de passagem, muito feliz!

Olhou pelo vão da porta e viu sua mãe entretida com o almoço, conversando com  seu pai que, sentado à mesa, saboreava algum petisco.

Então discou o número (era a primeira vez, também, que fazia uma ligação sozinha) e ficou com um sorriso ansioso e feliz no rosto, esperando ser atendida.

– Alô?

– Da. Anita? Aqui é sua aluna, Isabel, filha da  Delilah!

– Oi, Isabel, tudo bem com você?

– Mais ou menos, Da. Anita; estou com saudade da senhora.

– Mas amanhã vamos nos ver! – responde ela sorrindo, meio emocionada.

– Da. Anita, a senhora já almoçou?

– Não, querida; ainda estou preparando alguma coisa.

– Então posso ir almoçar com a senhora?

– Claro que pode! – diz ela, completamente surpresa com o imprevisto.

– Então a que horas posso ir? Agora são 11:30 (da altura dos seus seis anos já sabia   ler as horas; o avô havia ensinado) – diz, consultando o grande relógio na sala.

– Uma hora está bem?

– Sim senhora! Até mais.

E, correndo para a cozinha foi, feliz da vida, pulando tal e qual um cabritinho, contar sua proeza aos pais.

– Mamãe, mamãe! Vou almoçar na casa da Da. Anita!

– Como assim?

Então ela conta à mãe a peripécia que fez e esta, aflita, corre à lista telefônica e liga para Da. Anita, desculpando-se pela ousadia da menina.

– Da. Anita me desculpe; não vi a Isabel ligar e não quero, de forma alguma, que ela vá incomodá-la! Imagine só; sei que domingo é dia de reunião familiar e, por isso, estou ligando para me desculpar e para dizer que ela não irá.

– Não, Delilah, deixe que ela venha; fiquei muito feliz com sua ligação e ela não vai me atrapalhar em nada!

O pai ficou de boca aberta, os irmãos ficaram olhando para ela e o avô achou engraçada a atitude da menina (esta também foi a primeira vez que foi almoçar fora de casa sem a companhia dos pais).

Às 12:55 Isabel saiu de casa com um prato de torta de palmito nos braços que a mãe mandava para a mestra, sorrindo e saltitando, feliz, com as recomendações da mãe para se comportar direitinho e para olhar para os dois lados antes de atravessar a rua.

E a mãe ficou olhando do terraço, até ela chegar um pouco mais que o meio do outro quarteirão, no portão da professora.

E ela então parou e, antes de tocar a campainha, ficou olhando aquele jardim encantado, com o qual já havia sonhado muitas vezes; viu a estátua da Branca de Neve e, à medida que seus olhos vagavam de lá para cá, ia citando mentalmente os nomes dos Sete Anões.

Então, prestes a entrar naquele castelo, deu uma ajeitada em seu vestido todo armado, nas fitas de seus cabelos, olhou para seus sapatinhos de verniz preto para ver se continuavam brilhantes e, por fim, tocou a campainha.

Eis que surge na porta sua fada, sua mestra, aquela que a ensinou esboçar as primeiras letras naqueles exercícios sem fim no caderno de caligrafia, as tabuadas aritméticas, o primeiro livro e, naquela fração de segundo, ouviu a voz dela e de suas amiguinhas de classe lendo em conjunto: “A pata nada; pata pa; nada na”.

Subiu correndo aquela escada que parecia não ter fim e pondo o prato em cima de uma mesinha, na varanda, voou para os braços de Da. Anita e, nas pontas dos pés, deu-lhe um longo e forte abraço.

E que assunto haveria de ter uma professora com uma aluna de seis anos de idade?

Perguntou do papai, da mamãe, do vovô, dos irmãos, do quintal que tinha tantos pés de frutas, plantas e flores e, por fim, se estava gostando dos estudos.

E ela confessou à mestra que às vezes (não sempre) confundia a ordem das letras de seu nome.

Da. Anita pegou uma folha muito branca (parecia uma nuvem!) e um lápis muito bem apontado e fazendo-a sentar-se à mesa, disse que iria ensiná-la de uma forma que jamais esqueceria.

– Vamos lá: O “I” é como se fosse uma torre alta, assim como eu. O “S” é uma minhoquinha que anda pelo quintal à procura de alimento. O “A” é um telhadinho para se esconder debaixo quando a chuva forte nos pegar pelo caminho. O “B” é igual à barriga da mamãe que está esperando seu irmãozinho. O “E” é uma boca aberta num sorriso muito gostoso. E, por fim, o “L” que é uma poltrona grande e confortável para se descansar.

– Não pode ser um balanço, Da. Anita? – interpela a menina.

– Não, o balanço é a letra “U”.

– Ah…

Havia mais convidados na casa de Da. Anita: sua irmã, de olhos verdes maravilhosos e cabelos que pareciam de ouro e, seu sobrinho, o Francisco, lindo como a mãe e educado como ela e a tia.

Depois do almoço ela e o Fran ficaram lendo revistinhas, enquanto os adultos sumiam por detrás das portas, para fazer não sei o quê.

E a menina estava feliz por se encontrar em um lugar diferente que ninguém de sua casa conhecia.

Foi então que se sobressaltou com um pensamento; saltando da poltrona, foi ter com a professora.

– Da. Anita, alguma aluna já esteve aqui em sua casa?

– Não, Isabel, você é a primeira!

Ufa! Que alívio! Sentiu-se plenamente privilegiada: era a primeira, era a única até o momento que, sentindo tanta saudade da mestra, foi ter com ela, adentrando em seu mundo.

Não se cabia de emoção ao se imaginar contando às amiguinhas do seu domingo maravilhoso e de como Da. Anita a ensinara a memorizar a ordem das letras de seu nome de uma forma especial, diria até carinhosa, tão diferente de como tinha que ensinar no colégio, seguindo a didática do programa por certo determinado pelas freiras.

Assim a tarde foi passando, nada dela pensar se já era tempo de voltar para casa, de tão encantada que ficava (como sempre) ao lado de sua fada, sua mestra, aquela que colocou palavras em seus pensamentos e ensinou a transferi-las para o papel, para que as pessoas pudessem sentir o que ia pela sua emoção.

Até que sua mãe ligou e pediu para que Da. Anita a mandasse de volta, pois já abusara muito do seu tempo, além da prima estar em casa esperando-a chegar.

Antes de pegar aquele prato de empadinhas que eram destinadas à sua mãe, ela pendurou-se no pescoço de Da. Anita, deu-lhe outro forte abraço e, desta vez, já se sentindo íntima dela, deu-lhe um grande e sonoro beijo no rosto, sendo retribuída com o mesmo carinho.

E assim a menina partiu, não tão saltitante como havia chegado, com o prato de empadas nas mãos e um “Até amanhã, Da. Anita e obrigada” nos lábios.

Antes de atravessar a rua, virou na esquina por uns instantes e, longe dos olhos da mestra que a via partir e da mãe que a via chegar, enfiou duas empadas inteiras na boca; na certa não havia comido o suficiente no almoço, de vergonha da professora.

Quando chegou em casa, entregou o prato à mãe, com recomendações de Da. Anita, olhou para a prima e para os irmãos com ar de superioridade e foi ter com o avô em seu quarto.

Este lhe deu um beijo na testa e perguntou-lhe como havia sido seu passeio.

– Torre, minhoca, telhadinho, barriga, boca sorrindo e poltrona!

– O que é isso?

– É a ordem das letras do meu nome, vovô! I de torre, S de minhoca, A de telhadinho, B de barriga com bebê, E de boca sorrindo e L de poltrona!!!

– Muito bem, parabéns! – disse o avô, sem entender direito a associação que havia com as letras, dando umas “palmadinhas” carinhosas e de leve no rosto de sua netinha, como costumava fazer.

E Isabel, com um sorriso luminoso nos olhos, sentou em uma cadeira ao lado dele e, enquanto o avô escrevia, ela começou a pensar por onde iria começar a contar seu dia inesquecível a seus irmãos e às suas amiguinhas.

Obrigada, Da. Anita Ramos,

por ter sido a primeira a ter aberto algumas portas para mim, passagens que até hoje as utilizo.

Na verdade a senhora não só foi minha fada, minha mestra, mas um anjo que me ensinou a colocar no papel meus sonhos e fantasias, minhas emoções, minhas dores e meus amores, enfim, minha estrada.

Hoje em que se comemora o Dia do Professor, deixo aqui mais um pedacinho do meu coração cheiinho de saudade para a senhora, Da. Anita, minha doce Estrela Guia!

 

Read Full Post »

 

Moacyr Jaime Scliar, nascido em 23 de Março de 1937, em Porto Alegre, recebeu esse nome, Moacyr, por escolha de sua mãe depois que leu o romance Iracema de José de Alencar.

Ele mesmo dizia que os nomes são recados dos pais aos filhos e são como ordens a serem cumpridas para o resto da vida.

 

E Scliar cumpriu sua parte, com humanidade, dignidade e muitas vezes com humor.

Não tenho receio algum em afirmar que foi um gênio, podendo esta verdade  ser constatada em todas as suas obras, desde romances, contos, críticas e na sutileza de suas traduções.

Em toda a sua vasta passagem literária por este mundo, deixou registrada também um pouco da sua ironia, principalmente quando toca em nervos nevrálgicos como condições sociais e judaísmo.

 

Relendo seu discurso de posse na Academia Brasileira de Letras, fico extremamente comovida com cada palavra que deixou como reflexão para aqueles que buscam alguma coisa mais que simples palavras.

Não posso deixar de destacar um pequeno trecho inicial em que disse estou falando daquela trajetória que percorrem todos os escritores, uma trajetória de auto-descoberta e de auto-aperfeiçoamento e que, às vezes, chega a esta Casa. Quando isto acontece, vive-se um momento de inusitada emoção, um peculiar momento em que, de súbito, descortinamos uma imensa paisagem literária, da qual somos, mesmo na condição de humilde detalhe, integrantes.

  

Neste ponto interrompo minha leitura para olhar demoradamente para esta imagem que aqui postei.

Sinto em seu olhar e em seu riso, a generosidade que deixou como marca no transcorrer de sua vida, para que não morramos nós de tristeza quando essa dor no peito, por pessoas incríveis como ele e alguns poucos, nos trouxer a realidade de que os bons estão partindo; e assim, profundamente vazios, acenamos com gestos ausentes para ninguém.

 

É lamentável que permaneçamos convivendo com tanta mediocridade, essa que nos cerca diariamente, com esse empobrecimento literário divulgado pela mídia como se fosse a nata da cultura atual.

É lamentável quase tudo no campo da cultura deste país; resta-nos apenas e desesperadamente abraçar-nos às boas obras, como as de Scliar, para podermos, num último fôlego, sobreviver e não deixar morrer este legado de verdadeiro valor.

 

Scliar perdoe-me este possível mau humor; gostaria tanto de ter podido falar apenas dessa luz de paz, de generosidade e de dever cumprido que vejo e sinto nos teus olhos azuis.

 

 

Read Full Post »