Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘José Saramago’

saramago-1

 

“Saiba Vossa Majestade que, haver, havemos cada vez menos, e dever, havemos cada vez mais”

( da obra “Memorial do Convento” – 1.982)

.

Aqui estou novamente, Mestre, na tua presença.

É quando me é permitido encontrá-lo aonde estás e não aonde estou.

.

Observo demoradamente tua imagem e no canto direito de tua boca pressinto um desalento contido; teus cabelos, quando longos e em constante desalinho, esvoaçavam como teus pensamentos pássaros, sempre em movimento; em tuas mãos de dedos longos, a serenidade interior e, por vezes, a resposta enfática, incisiva, que muitos ainda confundem com frieza, sarcasmo, ceticismo.

Mas como te conheço um pouco e te amo muito, isso já não me assusta; apenas o espanto de outros é que ainda me surpreende, depois de tantos ventos, tempestades, raras calmarias.

.

Porém o que mais me atrai, sempre, é o teu olhar.

Essa fagulha de intensa luz e lucidez que vibra em todo o teu semblante.

Seria o mesmo olhar de quando o jornalista perguntou, na última entrevista,  Por que o senhor tornou-se escritor tardiamente? e, com paciência, respondeste Isso ninguém sabe, nem eu, nem eu! Mas isso ainda é preocupante? – como se não houvesse algo mais importante a ser dito.

.

Teu olhar… com certeza tão diferente de quando, no teu exílio, navegava distâncias e saudades agora adormecidas.

E sempre que me lembro do teu exílio, me vem à mente O Conto da Ilha Desconhecida.

Não me canso de ler essa obra e fico a me perguntar se também não foste tu, Mestre querido, que aguçou-me a busca de mim mesma, porque tuas palavras em minha consciência reverberam sempre… Quero saber quem sou eu quando estiver na ilha; se não sais de ti, não chegas a saber quem és… que é necessário sair da ilha para ver a ilha, que não nos vemos se não saímos de nós.

Será que não foste tu que me ajudaste a pintar, como no livro, as letras que faltavam na minha caravela, para que eu pudesse me lançar ao mar, no início temerosa, mas com o coração aberto em busca do novo, do desconhecido, do que muitos chamam de irreal?

.

À tua frente sinto-me diante do mar, ora em turbulência, por vezes tranquilo, mas raramente ensolarado porque, mesmo agora não estando mais entre nós, ainda te pesam os rótulos atribuídos pelos ignorantes de tua vida, que nunca se propuseram a conhecer tua alma; apenas boiam na superfície das ondas, achando (sempre os achismos!) tua escrita salgada como o mar, nada mais.

Mas, como o mar, tens riquezas e belezas para quem se aventurar nas profundezas de tuas águas.

.

Eu, no entanto, sentindo-o como o mar em eterno movimento, fico feliz em vê-lo ora verde, ora azul, dependendo do mar onde te encontras no momento deste nosso diálogo de almas e, te olhando assim tão de perto e silenciosa, continuo admirando tua coragem de não te esconderes, nunca, atrás de um remo, no fundo do porão de tua caravela, mas sim, sempre no leme de tuas verdades.

.

Com certeza, aprendi contigo, Mestre, o hábito de carregar nas mãos uma bússola e atirar-me ao mar à procura de mim mesma.

O mar é UM, o começo do caminhar pra beira de outro lugar, como diz outro poeta.

 

Hoje comemora-se a data de teu aniversário, mas quem continua ganhando o presente sou eu.

Sempre.

 

 

Read Full Post »

Jose-Saramago_061810_300.

 .

Quando a vida está difícil e está.

Quando os sonhos vão se diluindo no ar como bolhas de sabão e estão.

Quando não encontro serenidade em mim e me sinto desorientada entre meu mundo e o no qual vivo e estou.

Quando a tristeza toma conta das faces como uma nuvem à frente do sol e está.

Quando o querer que tudo se finde para começar novamente e será.

Quando me olho no espelho e não mais me vejo, debruço-me sobre teus livros, buscando um sentido para tudo, naquelas tuas palavras que tanto clamaram justiça e humanização deste animal dito racional que todos somos e não somos.

Cai-me às mãos esta obra preciosa que deixaste para tocar meu coração em momentos precisos, como agora.

E de um só fôlego leio O Conto da Ilha Desconhecida.

Só assim consigo me reencontrar, perdida que já estava do outro lado, cambaleando no escuro desta realidade que me assusta, a toda hora, em cada respirar como se último fosse.

Somente tu é capaz de novamente me dar vida, brotar em meu ser a lírica da existência.

Justamente no dia em que foste embora em busca de novas primaveras, em paisagens onde ser é apenas uma condição de luz.

A ti, Mestre Saramago, meu amor eterno.

 

 

Read Full Post »

Além de guardá-lo em mim, trago-te neste instante entre minhas mãos.

As palavras correm ligeiras pelas minhas retinas e os sentimentos afloram, as lembranças voltam tão claras e nítidas como se o trem da memória estivesse passando pelas estações, pelas paisagens campestres, sob as mesmas nuvens de um dia de uma viagem interior.

Tu estás comigo e me sorris e eu te agradeço aquele momento exato em que decidiste compartilhar tua alma com a humanidade.

 

Observando tua expressão, teu meigo sorriso, tua personalidade  presente nas curvas de tuas sobrancelhas, o aceno desenhado no ar por tuas mãos, sinto-o ao mesmo tempo que frágil, um gigante a se identificar, sem temor algum, em cada vírgula ausente, em cada aspereza necessária, em cada palavra repleta de verdade.

Sinto o homem coerente e preciso e, logo em outro instante, alguns parágrafos à frente, o menino… aquele a correr pelas ruas de Azinhaga, até chegar a alguma figueira e em sua sombra descansar, sorrindo das imagens desenhadas nas nuvens, a sentir o cheiro do mato misturado ao da saudade.

 

Trago-te em minhas mãos (e sempre estou mais perto de ti  quando se aproxima a data de teu aniversário – tu me atrais) e, em uma página de número qualquer, identifico-me tanto com tuas palavras, essas que fazem meu coração se agitar, como se minhas fossem (perdoe-me a ousadia…)

 

“Sou um camponês que se disfarça suficientemente bem para poder viver na cidade sem olharem muito para mim”.

 

Faz-me lembrar daquela que fui quando um dia da cidade do interior aqui cheguei e da que agora sou, vivendo em um mundo que nunca pensei.

 

Hoje, na véspera de teu aniversário, arrumo minhas malas para resgatar em mim, mais uma vez, essa que encontrei em tuas palavras… mas antes de ir quero aqui deixar a teus pés, aquela parte do meu coração, da minha razão e do meu amor, aquela parte que pulsa somente por aqueles que, como tu, dão sentido à minha vida.

Tu que trazes no nome, o nome de uma planta que serve de alimento para os pobres em tempos difíceis; tal como vivemos agora, digo eu, pobres da verdadeira cultura em tempos de valores distorcidos.

Aqueles poucos, como tu, eternos.

De tua aprendiz,

Isabel

 

 

Read Full Post »

Fecho os olhos, respiro profundamente e vislumbro os teus cômodos mais íntimos.

Aquele onde teus vestidos luxuosos permanecem estáticos.

Aquele onde teus sapatos se calam sem caminhos.

Aquele onde tuas jóias adormeceram em caixas silenciosas de veludo.

Aquele onde um espelho de parede inteira não mais reflete tua imagem.

Aquele onde um batom permanece aberto, como se fora usado a pouco, acenando o inacabado.

Nada se move, silêncio profundo, penumbra.

 

Necessitando de ar, permito-me correr as cortinas do quarto e abrir aquela porta que dá para o jardim, onde pássaros e flores seguem o curso natural da vida.

É quando os cômodos são invadidos primeiro pela brisa e depois pelo sol e essa lufada de vento e luz me faz constatar que realmente é primavera e que estamos na presença uma da outra.

Sei que estás ali, com teu riso farto, tua naturalidade, tua espada de guerreira nas mãos, tuas palavras doces e tua vontade tão grande de viver.

 

Em uma entrevista me fizeste lembrar, o que me sensibilizou, um dos escritores que tanto amo, José Saramago,  quando falaste “não tenho medo de morrer, mas tenho uma peninha… adoro conviver com as pessoas, meus cachorros, meu trabalho, conhecer lugares.”

 

Tão forte tua presença que cheguei a ouvir tua risada e a sentir, mais uma vez, a imensidão da tua luz, a distância que um simples gesto teu pôde alcançar, o pedaço de teu coração que entregavas junto a cada carinho.

 

Então me certifiquei de que teus cômodos mais íntimos não foram os que de imediato vislumbrei, porque não importa o que tenhas deixado pelos cômodos de tua casa e sim, o que guardavas em teu coração e transbordava em tuas emoções: Vida!

Sem medo de críticas, julgamentos, rótulos, sem receio de nada, porque o que expunhas era autêntico, tua alma rara.

 

Cerro as cortinas e antes de deixar esta visão, coloco uma rosa, a que mais gostavas, em teu travesseiro, certa de que a receberás aonde quer que brilhes agora.

Querias apenas ser feliz, Hebe Camargo, e assim o foi.

Linda de ver, Linda de viver!

 

  A vida é tão bonita e eu tenho tanta pena de morrer”

José Saramago

 

 

 

 

 

Read Full Post »

 

Está lá, marcada em meu calendário, a data do teu aniversário.

Não fico mais surpresa por procurar teus livros perto desta data.

O que faço agora é tentar reter o maior tempo possível tua imagem que se reflete nas palavras que vou lendo, nos pensamentos que vou detendo, nas reflexões, nas constatações.

 

Não há o que falar de ti que já não tenha sido dito, mas quero externar a falta que a tua dignidade faz ao mundo, mesmo polêmico, pouco entendido ou mal querido que foste.

Sinto falta da tua voz, da tua vibração e da tua coragem de ter sido o que foste, sem se valer de máscaras para simplesmente agradar a outros.

 

E sentindo tanto tua falta, comemoro hoje, com carinho e saudade, teu aniversário.

Obrigada, Saramago, pelo legado que deixaste; meu coração se consola nos pensamentos e nas descobertas que tenho feito a partir dos teus pensamentos.

 

Deixo aqui um trecho do que venho lendo no livro organizado por Fernando Gómez Aguilera – “As Palavras de Saramago”

 

“Existe nele (no Quixote) uma expressão que, para mim, é a chave, embora não pareça nada de especial.

Quando o Dom Quixote sai para começar as suas andantes cavalarias, o Cervantes diz isto de maneira tão simples que qualquer de nós poderia tê-lo dito:”E começou a caminhar”.

Há dois Quixotes: um com a sua vida sem importância e o outro que nasce no momento em que começa a caminhar.

É ele o Dom Quixote, o homem que fará aquilo que não estava nas previsões. Não era fatal, nem na sua loucura nem a sua vida anterior, que ele fosse fazer tudo o que fez depois.

Não há um destino: há um momento em que começamos a caminhar. Começamos a caminhar e caminhamos noutra direção.

Não é, de fato, a direção que parecia fatal, irrecusável… até podemos falar de predestinação, se se quiser, mas o momento em que começamos a caminhar é uma metáfora do movimento e não só do movimento pessoal, também o movimento da sociedade”

 

(“A Facilidade de Ser Ibérico” – Expresso, Lisboa)

Read Full Post »

 

“Quando eu morrer… se pusessem uma lápide no lugar onde ficarei, poderia ser algo assim: “Aqui jaz, indignado, fulano de tal”. Indignado, claro, por duas razões: a primeira, por já não estar vivo, o que é um motivo bastante forte para indignar-se; e a segunda, mais séria, indignado por ter entrado num mundo injusto e ter saído de um mundo injusto.”  

                                                                            José Saramago

 

 

Nestes dias em que permaneci em completa incapacidade física, o que me restou de prazeroso, além de pouco me alimentar e muito repousar, foi ler bastante.

É verdade que dormi muitas vezes no meio das leituras, com palavras embalando minha alma em devaneios e só acordava quando o livro me caia das mãos.

Consigo ver o lado bom dessa quase inércia física, além da minha total vulnerabilidade; é que a febre traz consigo a alucinação e assim, meus pensamentos se apossam de meus sentidos; é quando me entrego toda aos sonhos mais impossíveis, aos desejos mais incontroláveis, a presenças eternamente invisíveis, a esperanças que se foram a cada final de estação.

Mas essa é outra história.

 

Nos meus momentos de lucidez, comecei a reler José Saramago e lembrei-me da data em que se foi para outras esferas, onde por certo continua com sua obra mágica, magnífica e instigante.

Sempre.

Deixo aqui a minha mais profunda saudade e uma pequena homenagem ainda que tardia.

Fui à minha micro-biblioteca e aleatoriamente peguei um livro dele, ou melhor, caiu-me às mãos o livro “As Palavras de Saramago” organizado e selecionado por Fernando Gómez Aguilera.

Lembrei-me do pensamento de Harold Bloom, crítico norte-americano, que diz  que “Saramago é um dos últimos titãs de um gênero literário que se está a desvanecer”.

Serve-me de consolo que, como a alma, as palavras também são eternas.

Efêmero é o corpo físico, mas a reflexão através de sábias palavras fortifica ainda mais o espírito, a mente, o caráter; diga-se de passagem, caráter este raro num tempo em que todas as virtudes morais estão, estas sim, se desvanecendo.

Sempre atento às injustiças da era moderna, vigilante das mais diversas causas sociais, Saramago não se cansava de investir, usando a arma que lhe coube usar: a palavra.

Gostaria de comentar uma citação que penso cair como luva à nossa realidade, neste exato ponto a que chegaram a dignidade e o respeito exercidos neste país de nome Brasil.

Na realidade, não quero comentar; as palavras falam por si mesmas.

Quero sim, convidar você para um reencontro com a inteligência e discernimento desse valiosíssimo ser humano e escritor, muitas vezes e por muitos, tão mal interpretado.

E mesmo que muitos continuem rezando o contrário, isso já não tem a menor relevância, porque a reflexão nos mostra como seus pensamentos continuam sendo atuais, vivos, verdadeiros, dignos e eternos.

Quisera poder dizer que o trecho que cito sirva apenas para este momento ruim pelo qual estamos passando, mas infelizmente ele se estende a perder de vista, de mãos dadas com nossos desencantos.

 

“Quando nós dizemos o bem, ou o mal… há uma série de pequenos satélites desses grandes planetas, e que são a pequena bondade, a pequena maldade, a pequena inveja, a pequena dedicação… No fundo é disso que se faz a vida das pessoas, ou seja, de fraquezas, de debilidades… Por outro lado, para as pessoas para quem isto tem alguma importância, é importante ter como regra fundamental de vida não fazer mal a outrem. A partir do momento em que tenhamos a preocupação de respeitar essa simples regra de convivência humana, não vale a pena perdermo-nos em grandes filosofias sobre o bem e sobre o mal. “Não faças aos outros o que não queres que te façam a ti” parece um ponto de vista egoísta, mas é o único do gênero por onde se chega não ao egoísmo, mas à relação humana.

Sustento que, quando descobrirmos o outro, nesse mesmo instante descobrimos a nós mesmos, algumas vezes no melhor, outras no pior, quando tentamos dominá-lo. Se chegarmos a uma relação com o outro em que a condição principal seja respeitar suas diferenças e não tentar sufocá-las para fazê-lo como a gente, então aparecerá em nós o positivo. Todos têm o direito a um lugar na Terra, não há motivo para que eu, pelo fato de ser branco, católico, louro, índio, negro, amarelo, seja superior. Não podemos nos dar ao luxo de ignorar que o respeito humano é a primeira condição de “convivialidade”.

Cada vez se torna mais claro, para mim, que a ética deve dominar a razão.

Se a ética não governar a razão, a razão desprezará a ética.”

 

 

Read Full Post »

Tenho em mãos um livro que, acredito, poucas pessoas conhecem.

Da Companhia das Letrinhas, com ilustrações muito criativas, repletas de detalhes de gosto bastante requintado, A Maior Flor do Mundo é um livro destinado ao público infantil, escrito por José Saramago.

 

E porque está em sua estante de livros, pode alguém perguntar.

Porque em minha alma, respondo eu, mora uma criança de sentimentos naturais e que nunca irá crescer, além de ser perdidamente apaixonada pelas histórias de meninos e meninas que, por sua vez, moram no mais íntimo de cada poeta, cada escritor, cada romancista.

 

E ali está o retrato da alma deste escritor que me cativou, que continua desafiando meus pensamentos, que me apaziguou o viver em momentos de extrema aflição, que companhia me fez em noites insones e que me ensinou ver o mundo por um prisma muito especial.

 

Este dramaturgo que a muitos estremeceu diante do compromisso que tinha consigo mesmo, lealdade esta que muitas vezes não ia de encontro com o pensar de muitos e, por isso, não souberam respeitá-lo devidamente.

Este romancista polêmico que jogava um carvão em brasa sobre o gelo da hipocrisia e que, de tão incandescente, rompia com qualquer máscara revestida de uma moral que existe, até hoje, só nos tratados de bem viver contemplados em leis esquecidas pelos gestos e palavras daqueles que se dizem senhores do bem e da verdade.

 

Um escritor severo consigo mesmo, pleno que era da responsabilidade que existe no poder da palavra.

Um escritor que unia os extremos do universo, ódio e amor, completando assim o círculo da evolução dos sentimentos no homem.

 

Mas neste livro Saramago mostra-se despido de qualquer tipo de argumentação; expõe a face cristalina de sua alma, aquela parte de si que é pura essência, que permanece; que sonha, que imagina e que voa, entregando a quem queira estar com o menino que trazia em si e para si, do menino que talvez tenha conseguido apresentar para tão poucos…

Aquele garoto que, cansado de remar contra tantas tempestades, exausto adormeceu ao relento, agasalhado por uma pétala dA Maior Flor do Mundo.

 

É assim que dormes em mim, menino.

Sei que hoje comemoram teu aniversário e que talvez fosse prudente acordá-lo para assistires às comemorações, mas… dormes em mim, tal e qual o garoto que foi levado para casa, rodeado de todo o respeito pelo feito que atingiu.

Um respeito que ficaram te devendo ao longo desta travessia terrena que findou, mas que nem por isso alterou tua rota em busca de algo maior que tua própria vida.

 

Lendo e relendo este pequeno livro grande, procuro entre linhas a magia, o encanto que só quem não cresceu é capaz de vislumbrar.

 

Um dia disseste e aqui transcrevo, porque sinto-o a cada leitura que faço:

“O outro é um complemento que nos faz a nós maiores, mais inteiros, mais autênticos.  Essa é a minha própria vivência.”

A minha também, meu poeta, a minha também.

Read Full Post »

Older Posts »