Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘vida’

Culpa da Nevasca

 

Peço permissão e desculpas por esta invasão.

Não, peço desculpas e depois permissão, nessa ordem.

 

Sei que durante a madrugada houve uma nevasca muito forte, deixando tudo absolutamente branco, como se nesse espaço nada houvera.

 

Pela manhã, nem a ponta do campanário da igreja podia ser vista.

A estrada que leva às montanhas, as montanhas; a grama verdinha digerida sempre pelos bois, os bois; as pequenas casas com seus telhados vermelhos, como os cabelos vermelhos de Sonia, com seu sorriso de seda a receber sua clientela de paladar apurado para queijos.

 

E o sol, o que aconteceu com o sol que dá vida à aldeia, que torna visível o mais invisível dos animais; o que foi feito dele, ou tornou-se dorminhoco como Seu Eulálio lá da sapataria, ou preguiçoso como Seu Tonico da banca de verduras?

 

Voltando às desculpas… aqui me rendo e peço perdão por invadir esta folha (é, esta mesma!) que julguei estar em branco, que apenas estava branca mas de neve, a neve que caiu pela madrugada adentro.

Perdão por estar escrevendo em cima da imagem bucólica dessa vila, que deve por certo existir em algum lugar deste mundo, além da minha mente, captada pela sensibilidade de algum artista e de seus moradores, uns amores!

 

Pedidas as desculpas, continuo pedindo, mas agora permissão, para dizer que, mesmo encoberta pela neve, esta vila é um pedacinho do paraíso!

 

Embora continue nevando torrencialmente, peço permissão, então, para mostrá-la ao fundo deste texto, destas palavras, mas somente para aqueles que podem vê-la.

 

Read Full Post »

Filho Meu

mãe e bebe1

 

Teus olhos insistentes nos meus me fazem chorar de emoção, pequena criança.

Enquanto brincas com as pontas de meus cabelos, enquanto acaricias meu rosto, enquanto tentas colocar teus pequenos e macios dedos dentro de meus olhos, sinto-te todo e cada vez mais em mim.

O calor de teu corpinho afaga minha alma, faz de mim a mãe que não pude ser, embora, diante de tanta ternura, sinto-te filho meu.

Às vezes ficas tão sério como se estivesse a encontrar no fundo de meus olhos algum momento secreto que guardo em mim e dele só sabe meu anjo guardião, para, no momento seguinte, voltares a brincar com os olhos meus.

Teu riso doce inunda esta sala e minha vida, como raios de sol invadem a manhã!

É por isso que te amo, pequeno, porque me roubas o ar vendo o movimento de teus pezinhos, como que querendo, de um salto, sair andando pela minha felicidade.

E hoje, minha criança linda, é teu aniversário e se eu pudesse, colheria estrelas como se colhe flores, para te fazer um ramalhete de luzes e amor, somente para prolongar o riso teu em minha alma…

Como presente, posso te dar o mais profundo carinho, o mais doce sorriso, a mais melodiosa palavra.

Posso também suavemente escovar teus cabelos em cachos de seda, enquanto sorris para os pássaros que, cantantes, enfeitam tua manhã.

Beijo-te os olhos, as mãos, os pezinhos, a teus pés, levando-te a passear nos jardins deste dia, para que sintas o riso das rosas e os acenos das margaridas à tua passagem.

Saímos, então, os dois, a rodopiar entre os canteiros, erguendo-te ao alto e pedindo a Deus que nos abençoe pela luz, pela vida e pelo amor que faz de nossos dias o sentido verdadeiro de ser.

É quando agarras nas rendas de minha blusa que juro-te permanecer a teu lado por todos os dias possíveis de minha existência.

E como sei que nunca vais crescer, a ti então posso pegar pelas mãos, conduzindo-te ao canteiro silencioso e profundo onde, no princípio dos tempos, minha rosa foi plantada, tratada e cultivada e onde hoje cresce, lentamente, mas cresce.

Sei que a conheces mais que eu, mas quero, eu, mostrá-la a ti, meu pequenino.

A rosa que me conta segredos, que me fala de amor e respeito, coisas que agora raramente encontramos no mundo de fora.

Mas hoje é teu aniversário e vendo-o assim a bater palminhas, a sorrir, a pular em meus braços, esqueço de tudo, de toda a maldade, estupidez e mazelas dos homens, simplesmente porque não quero que chores, não quero que teu dia se perca no escuro, embora eu saiba que tu sabes de tudo que ocorre fora deste jardim.

Quando ficas repentinamente quieto, olhando a chama da vela da comemoração de teus anos, nesse segundo que passa em teus olhos, meu coração estremece porque te sinto conciso, preocupado e grave; mas, em seguida, voltas a ser o meu menino.

E quando a noite chega, deito-te dentro de mim, cantando para te ninar uma canção que fale dos rios, dos bosques, dos anjos e dos homens de bem que ainda habitam este planeta e que não são cativos da escuridão.

Te amo tanto, filho meu, que mesmo quando adormeces, sinto-te a caminhar entre as nuvens e as flores dos meus sonhos, pulsando em minhas veias, a cada batida de meu coração.

Durma, meu pequeno; amanhã e em todos os dias de nossa existência comemoraremos, sempre e a todo instante, o teu aniversário.

Vendo-te deitadinho na manjedoura de meu presépio, aflora em minha pele a certeza de que, mais que nunca, somos Um.

.

.

Feliz Natal!

 

Read Full Post »

16 de Maio de 2014

 

 

Desde pequena ouço que carinho não se agradece porque é a forma mais pura de entrega de um ser para outro.

E assim cresci pensando que, o que eu pudesse de bom fazer aos outros, não haveria que esperar palavras de reconhecimento.

O ato valeria (e vale) por si só.

 

Mesmo que eu quisesse contrariar o que aprendi, as palavras tornam-se, neste instante, pequenas demais.

Não há como agradecer a noite mágica que cada um teceu com sua alegria, sua palavra, seu elogio, seu olhar, seu gesto de cuidado e ternura ao meu redor.

Minha família e meus amigos que cultivo há tanto tempo que é impossível precisar em uma só vida; meus poetas do coração; meus parentes.

Alguns queridos não puderam estar presentes, mas sei que naquele momento vibravam por mim.

 

De coração aberto à brisa da felicidade, agradeço esse sentimento tão grandioso que permanecerá gravado para sempre na retina de minha alma.

Por certo, esse carinho que vocês me dedicaram afagará meu coração por toda a minha eternidade.

Com a mesma alegria, doçura e vida que vi em cada um de vocês, curvo-me e reverencio a todos e a cada um, por me deixarem participar de suas vidas.

 

De forma mais sutil, reverencio a presença de meus pais, meu querido irmão João, meu avozinho, meus padrinhos, tios, primos e também alguns amigos, além da felicidade de minha tia Nini a festejar essa alegria na data de seu aniversário.

Suas luzes continuam iluminando meu caminho.

 

Deixo também meu carinho e agradecimento aos profissionais da Livraria Martins Fontes e ao fotógrafo da Editora Escrituras, que se envolveram neste lançamento com tanto empenho e esmero.

 

À noite, deitada em minha cama macia e quentinha, mas sem conseguir dormir de tanta alegria por ter podido reunir em uma só noite todos os meus queridos, agradeci a Deus pelo amor que tem por mim  e por eu ter vislumbrado tanta luz ao meu redor.

16 de Maio de 2014, mais um portal que se abre.

 

 

Read Full Post »

ofertorio

.

Mais um ciclo religioso se completa, culminando com a comemoração do aniversário de um dos maiores avatares conhecido (pelo menos de nome) pela humanidade.

Digo religioso porque há vários ciclos que se sucedem em nossas vidas, constantemente, mas parece que nos lembramos somente daqueles instituídos social e religiosamente.

 

Não quero me estender citando detalhes de ciclos lunares, solar e das modificações / estações que a Natureza nos oferece.

 

Há também o ciclo temporal e é neste que quero me deter embora, em princípio, todos os outros estejam inseridos nele.

Mas quero ir mais fundo do que simplesmente falar em semanas, dias, horas, minutos.

 

Sempre me pergunto porque é que comemoramos datas,estações,passagens de ano e mesmo natais, e não comemoramos cada segundo de nossas existências.

Sinto que são nesses segundos que vamos construindo a razão da vida, cada um com suas virtudes (todos temos pelo menos uma) e com defeitos que vão nos fazendo crescer, quando com eles aprendemos a lição do momento.

 

Por que somos tão superficiais e banais com nossas próprias vidas, esse presente que cada um de nós recebeu, constante e pulsante, construído de nossas vontades, tristezas, alegrias, descobertas, prazeres, satisfações, decepções, aceitações e, principalmente, de nossos sonhos?…

Penso que esse é o maior presente, porque é no exato instante em que o recebemos que nos é dada a oportunidade única de nos conhecermos,nos desconhecermos,nos surpreendermos,nos encontrarmos e desencontrarmos dos nossos próprios sentimentos, do outro, do que ainda é velado mas que em algum momento será desvendado.

E, no entanto, nos preocupamos com presentes envoltos em laços brilhantes, grandes, coloridos; nos preocupamos em enfeitar a casa com guirlandas, imagens, luzes e músicas festivas.

 

Por que enlouquecemos nessas épocas do ano (natal, ano novo, carnaval) e nos esquecemos de comemorar a vida enquanto nos é possível?

 

Por que comemoramos o ano novo se ele pode ser renovado, redescoberto a cada segundo de nossa existência?

 

Por que esperar a data do aniversário, se aniversariamos a cada segundo de alegria, mesmo que dure apenas esse segundo?

 

É muito bom presentear os outros, mas será esta a única forma de expressarmos nosso carinho? será que amar as pessoas já não basta mais?

 

O que fazemos com o que aprendemos a todo instante, se não aplicá-los implica na ausência de uma razão para ser?

É isso: a vida não tem razão de ser se deixarmos apenas o tempo escorrer entre os dedos e os dias do calendário e nos preocuparmos somente com o aparente querer, o aparente amar, o aparente doar, o aparente ter e, o pior, o aparente ser.

 

Neste ponto quero abrir um parênteses e falar do amor que sinto pelos verdadeiros poetas, simplesmente porque se expõem e se entregam, às vezes até com medo de se descobrirem para depois se encontrarem em si mesmos, instante a instante, mesmo que em seguida se percam na primeira esquina.

Sabem da magia (e como sabem!) do instante seguinte, onde novamente se encontrarão e permitir-se-ão sonhar com a vida que vão tecendo, verso a verso, vivendo assim plenamente cada momento.

Alguém já disse que o poeta não tem medo de sofrer; seu único medo é o de não viver.

 

Precisamos (e eu me incluo) aprender a comemorar a vida de forma a que sejamos dignos de tê-la recebido e, se pretendemos comemorar algumas datas, que possamos nos entregar ao seu verdadeiro significado, à sua essência, à sua razão de ser.

Agradeça o presente que recebeu, neste Natal e em todos os segundos de sua existência!

 

 

Nota: Parto de viagem e retornarei a este blog em janeiro.

Nesse meio tempo estarei vivendo o que me cabe, como costuma dizer um grande ser humano e poeta.

 

 

 

Read Full Post »

pablo neruda

.

Perscruto o tempo e parece-me ouvir tua voz que me faz voar entre poemas, buscando teus sentimentos, verso a verso, nos caminhos e descaminhos, na ausência, na saudade, na busca, na solidão.

E triste fico ao sentir a falta de poesia nesta atualidade, onde ela é trocada por nada, nada mesmo, por pompas exacerbadas, atos ilícitos, brutalidades que tornam os seres insensíveis, roubando o sonho de quem tem o direito e a precisão de sonhar.

 

Para ti, Mestre Neruda, nada disto é novidade se relembrarmos de tudo porque passaste, até que, de decepção e dor, te isolaste das coisas mundanas para poder mais um pouco sobreviver, para viver, quem sabe, um último sonho.

Mas nem isso te foi permitido, teus dias de sonhos últimos e de contemplação que ainda buscavas foram ceifados.

De tristeza morreste, é verdade, mas como se não bastasse fizeram-te morrer inúmeras vezes e, na derradeira, pelas mãos que manchadas para sempre estarão das palavras que não tiveram tempo de serem ditas, dos poemas que voaram contigo pelo caminho do invisível.

.

Hoje, data em que te obrigaram a tomar outros rumos, permito que minha alma volite entre tuas palavras, tuas emoções e esperanças; a primavera que não teve a seu favor o tempo de existir.

 

Quando olho o mar, procuro entre o movimento das ondas o teu silencioso e distante olhar.

.

 18

 Aqui te amo

Nos escuros pinheiros se desenlaça o vento

A lua fosforece nas águas errantes

Andam dias iguais e perseguir-me.

Às vezes amanheço e minha alma está úmida

Soa, ressoa o mar distante

Isto é um porto

Aqui te amo.

.

Aqui eu te amo e em vão te oculta o horizonte

Estou a amar-te ainda entre estas frias coisas

Às vezes vão meus beijos nesses pesados barcos

Que correm pelo mar rumo onde não chegam.

Olham-me com teus olhos as estrelas maiores

E ainda porque te amo, os pinheiros, no vento,

querem cantar teu nome, com suas folhas de cobre.

 

 (Vinte Poemas de Amor e Uma Canção Desesperada)

 

Read Full Post »

Em Vão

.

Roubas-me o sono

a sede

o riso

 

Roubas-me os passos

a cisma

o soluço

 

Roubas-me o ar

o balão

a vida

 

Como se tudo fosse

um voo estreito

ao rés do chão

 

 

 

Read Full Post »

Jose-Saramago_061810_300.

 .

Quando a vida está difícil e está.

Quando os sonhos vão se diluindo no ar como bolhas de sabão e estão.

Quando não encontro serenidade em mim e me sinto desorientada entre meu mundo e o no qual vivo e estou.

Quando a tristeza toma conta das faces como uma nuvem à frente do sol e está.

Quando o querer que tudo se finde para começar novamente e será.

Quando me olho no espelho e não mais me vejo, debruço-me sobre teus livros, buscando um sentido para tudo, naquelas tuas palavras que tanto clamaram justiça e humanização deste animal dito racional que todos somos e não somos.

Cai-me às mãos esta obra preciosa que deixaste para tocar meu coração em momentos precisos, como agora.

E de um só fôlego leio O Conto da Ilha Desconhecida.

Só assim consigo me reencontrar, perdida que já estava do outro lado, cambaleando no escuro desta realidade que me assusta, a toda hora, em cada respirar como se último fosse.

Somente tu é capaz de novamente me dar vida, brotar em meu ser a lírica da existência.

Justamente no dia em que foste embora em busca de novas primaveras, em paisagens onde ser é apenas uma condição de luz.

A ti, Mestre Saramago, meu amor eterno.

 

 

Read Full Post »

Older Posts »